TETAS FUNCIONAIS – ALTA PRODUTIVIDADE E SUSTENTABILIDADE

7/06/2022

Com mais de 16 tetas funcionais, a CG36 é número 1 do mercado em tetas e une prolificidade e capacidade a desmamar.

Ao longo dos anos, o melhoramento genético de suínos alcançou grandes avanços, tanto em linhagens paternas quanto maternas. Nas linhagens paternas o foco tem sido basicamente em conversão alimentar e ganho de peso diário, além das características relacionadas com a carcaça, como espessura de músculo e gordura.

Nas linhagens maternas, a principal evolução tem sido em prolificidade. Contudo, com o aumento do número de leitões nascidos, outros pontos merecem atenção, como o peso ao nascer e o número de tetas.

Com relação ao número de tetas, sua importância está relacionada com uma maior capacidade de desmame dos leitões por sua mãe, uma vez que é uma característica que deve acompanhar os ganhos genéticos em prolificidade.

Neste ponto, a CG36, a fêmea comercial da Choice, é a número 1 do mercado.

A evolução genética das linhas maternas da Choice nos últimos anos se concentrou em peso e uniformidade ao nascimento e em aumentar a quantidade de tetas funcionais, além da prolificidade. Em 2020, 75% das CG36 nascidos na França (de um total de mais de 28.000 fêmeas) tinham 16 tetas funcionais ou mais.

Esse grande avanço na quantidade de tetas funcionais se une ao aumento da prolificidade e reforça ainda mais a filosofia da Choice de SUSTENTABILIDADE. Uma fêmea com mais tetas disponíveis é capaz de desmamar mais leitões impactando diretamente nos aspectos:

Esse grande avanço na quantidade de tetas funcionais se une ao aumento da prolificidade e reforça ainda mais a filosofia da Choice de SUSTENTABILIDADE. Uma fêmea com mais tetas disponíveis é capaz de desmamar mais leitões impactando diretamente nos aspectos:

Menor necessidade de trabalho

– Uma alta prolificidade associada a um número insuficiente de tetas gera uma maior demanda de serviço, principalmente para padronizar o excesso de leitões, com grande quantidade de mães de leite. As granjas com alta produtividade com CG36 (+14 leitões desmamados por fêmea) têm uma média de 5 a 7% de mãe de leite, enquanto que com outras genéticas com essa mesma produtividade a necessidade de mães de leite é de 20 a 25%.

Menor consumo de recursos naturais

– Podendo desmamar um maior número de leitões com a própria mãe, a CG36 também se destaca por seu menor consumo de recursos naturais. Em consequência, tem-se um grande impacto financeiro e também contribuirá com a sustentabilidade.

Por tanto, o ganho genético das linhagens maternas não pode estar concentrado unicamente na prolificidade, como também deve dar atenção para as características que podem contribuir em transformar essa alta prolificidade em leitões desmamados.

 

 

Para mais informações entre em contato conosco: contato@choice-genetics.com.br